domingo, abril 03, 2005

João de Deus


1979, México. Posted by Hello

Desapareceu hoje a figura histórica mais importante da segunda metade do século XX. Colocando em perspectiva, talvez não seja possível compará-lo ao impacto de um Lênin, um Hitler, Ghandi, Stálin ou mesmo um Churchill, um Wilson. Mas não há quem lhe tire o posto no pós-guerra. Karol Wojtyla deu conta da pergunta de Stalin em Ialta: "Quantas Divisões tem o papa?". Sua vida foi a resposta.

Napoleão acreditava que era a maior e mais inacreditável instituição da terra. Para ele o papa equivalia sozinho a 100 mil soldados. Não conheceu João Paulo. Em 2001 foram 500 mil na Ucrânia. Mais de um milhão só na Polônia em 1979 e depois em 1983 naquele que seria o 'turning point' do fim do socialismo no Leste Europeu. Nunca antes num país comunista, tantos tinham se reunido para celebrar junto a figura então mais popular do planeta, o milagre da fé. Muitos países do leste Europeu fecharam suas fronteiras com a Polônia. Mesmo assim, foram milhares de peregrinos. Até então, multidões nas didaturas da cortina de ferro apenas em eventos organizados pelo partido, não para esfregar na cara dos herdeiros políticos do materialismo histórico a inacreditável força do ópio do povo.

Brejnev dizia que o segundo conclave de 1978 foi comprado pela CIA sob influência do acessor de Segurança Nacional do governo Carter, Zbigniew Brzezinski. A Cia não seria tão inteligente. Mas de fato, o papa foi o maior agente na desestabilização dos satélites soviéticos, tornando sua mera presença, foco de problemas para regimes autoritários. Tanto que nunca foi a Rússia, e não por falta de vontade.

Sob sua batuta, organizou-se na Polônia o primeiro sindicato não-estatal em um regime socialista. O Solidargnosc, tão bem tratados pelos anti-comunistas da Europa e EUA a ponto de gerar protestos de ciúme no nosso Lech Walesa do ABC, foi a menina dos olhos do fotalecidíssimo clero polonês que o pôs sobre proteção (desde o início e mais ainda quando houve intervenção soviética no país, no início dos anos 80) por ordem de Roma. Uma década depois, o subversivo Walesa seria presidente da Polônia, e João Paulo sorria lembrando de Stálin, com a complacência e serenidade dos vitoriosos.

Conservador em questão de moral e fé, Wojtyla perseguiu os teólogos da chamada Libertação, por acreditar em Libertação de Cristo não de Marx. Famoso o pito dado em Ernesto Cardenal, ministro dos Sandinistas, oriúndo da Teologia da Libertação, que ajoelhado no aeroporto de Manágua, só respondia: "- Sim, santidade, sim, santidade", enquanto o papa gritava na frente das câmaras: "- Isto não pode continuar!". Via no comunismo, a semente do ateísmo e da opressão que tanto combatia na Europa. Não compreendia a multidão que gritava na Nicarágua ou no México por terra e comida, sem respeito ao Santo Padre que pedia por três vezes: "Silêncio, o papa fala".

Articulou em 1994 uma coalizão (que envolvia até países muçulmanos) conservadora e bem sucedida que paralizou a conferência da ONU sobre população no Cairo, impedindo resoluções de planejamento familiar, ou projetos da Organização para a distribuição de preservativos. Nunca aceitou o celibato, a ordenação de mulheres, o aborto, nem mesmo o uso de anti-concepcionais. Apesar do propalado ecumenismo, a Era Ratzinger, trouxe de novo a Igreja afirmativas como: "Só se chega a salvação por meio da Igreja Católica". No fundo, o papa que reabilitou Galileu Galilei, foi o papa que estancou as transformações do Vaticano II. Um papa conservador e centralizador, que enfraqueceu o espírito democrático e descentralizador que vinha do Bom papa João XXIII e permaneceu com Paulo VI, época de apogeu da Teologia da Libertação. João Paulo II pôs fim ao que o cardeal Congar chamava de maior evento religioso do milênio depois das teses de Lutero.

Conservador ou não, trata-se de um santo. Deu nova força e popularidade a uma igreja decadente e em constante perda de prestígio, e se tornou, depois de 1978, a figura mais querida da midia mundial. Fiel às suas idéias, coerente, místico, tem tudo para ser a canonização mais rápida da história. E não é por falta de milagres. Afinal o papa é pop, como diria um poeta gaúcho, enquanto a torcida do fluminense cantava "A benção João de Deus" virando de última hora um campeonato perdido. Quem sabe amanhã...

Sobre a sucessão e o futuro da cadeira de Pedro e da santa madre igreja, solicitado por meu amigo BB, prometo uma análise mais detalhada (dos papabiles) nos próximos posts, juro que antes da fumaça branca. Não tenho palpites (é impossível com 120 candidatos; Wojtyla era obscuro e improvável), mas tenhos preferências e algumas certezas. Por hora, ainda estou em pesar, triste mesmo.

Mas a morte de um homem de fé carrega em si mais alegrias que lamentos. Que dádiva maravilhosa e transformadora não é a fé. Sobretudo para nós que não a temos. Chorar por ele é vão. Mas é impossível não se afeiçoar a uma criatura tão carismática, ainda mais depois de pesquisar sua vida por quase dois anos. Enquanto aguardo o "Habemus Papa" (mais umas 2 semanas), entristeço-me a morte desta figura extraordinária, ator, operário, alpinista, que tão bem soube falar aos corações do povo, sobretudo dos jovens, indo diretamente a eles. Como disse em suas ultimas palavras: "Vi ho cercato e siete venuti, vi ringrazio".

11 Comentarios:

Blogger Mauricio Santoro said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Caro,

João Paulo II foi um extraordinário líder político. Infelizmente, foi um craque que jogou em geral no time contrário ao meu. Suas posições com relação às mulheres, à sexualidade e sua gestão autoritária da Igreja foram um retrocesso aos anos 50.

Nestes tempos difíceis de fundamentalismo e cruzada, a Igreja poderia assumir um papel importante como defensora dos direitos humanos. Lamentavelmente, ela tem se retringido a um sentimentalismo da pior qualidade (vide Renovação Carismática) ou a atuar na linha de frente do fanatismo (Opus Dei).

João Paulo II tem muito a ver com isso. Santos mesmo foram João XXIII e Paulo VI.

Abraços agnósticos,
Maurício

abril 03, 2005 10:31 AM  
Blogger BB said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Caros,

Realmente eh um legado e tanto (para o bem ou para o mal). Para as pessoas na nossa faixa etaria ou mais jovens, este foi o unico Papa que conhecemos -- Papa era sinonimo de Joao Paulo II. Talvez sejamos muito influenciados por tudo isso tambem.

Como o papado nao morre nunca, esperemos agora pelo conclave. Aguardarei ansioso os futuros comentarios do jd, que alias, eh um dos maiores Vaticanologos do pais (sem ser teologo).

Grande abraco,
BB

abril 03, 2005 11:36 AM  
Blogger jd said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Sem ser teólogo, acho que sou o único ;)

abril 03, 2005 1:06 PM  
Blogger Velvet said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Me entristeço sim, pela morte de um homem de fé. Quem sou eu para discutir com você a importância da fé - sou dublê de cientista social - mas ainda acredito que se fé, não se vai a lugar algum. Paulo Coelho, eu? Talvez. Clichês são a melhor saída quando seus argumentos são puramente passionais e não racionais. Não entro na discussão quando não tenho chance de vencer. E sofismar também não é a minha. Mas que a minha fé move montanhas, isso não duvido.

Abs

abril 03, 2005 5:14 PM  
Blogger Velvet said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Aliás, a PUC é uma universidade católica, ou não????????????

abril 03, 2005 5:45 PM  
Anonymous Camila De' Carli said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Líderes políticos carismáticos podemos citar muitos (aqui no Rio temos o nosso e isso não quer dizer nada). Quem sou eu para questionar a fé dos outros, mas o autoritarismo retrogado está aí para ser discutido. Se em vida JP II já seduzia milhões de fiéis, imagina depois de morto...não vai ser o primeiro nem o último a virar santo.

abril 03, 2005 7:42 PM  
Blogger Velvet said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Jd, abstrai meus comentários anteriores, viu? Não vou apagar porque vou fazer um mea culpa católico mais do que pertinente aqui: entendi tudo ao contrário...
Mea culpa, mea maxima culpa... ; )

Bjtos

abril 03, 2005 9:46 PM  
Anonymous Helvécio said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

"et verbum caro factum est"
e o Pontífice venceu! questionar sobre um maior ou menor envolvimento da Igreja nas questões políticas à moda Boff seria "socialista" demais para o papa que viu asatrocidades dos regimes autoritários de direita e de esquerda. A Cúria também detestaria.

A pergunta que permanece é se a Igreja é pelo status quo, sim ou não? como disse o Daniel, em questões reacionadas a doutrina é conservadora, mas é a única religião do mundo que submete à ciência seus processos de canonização.

O chique de ser católico é poder dizer sempre que só nós temos Mt. 16, 18...haha...A maior religião do mundo e a instituição mais longeva que conhecemos permanece um grande mistério. A América Latina merece ter um papa! e se os contrários à doutrina católica desejam entender o porquê desse conservadorismo, deverão primeiro entender que a fé não pode ser explicada pela razão.

abril 03, 2005 11:33 PM  
Blogger Velvet said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Posto de novo para dizer que me empolguei e escrevi sobre a Igreja no meu blog... A morte de João Paulo II me fez repensar muitas posturas que tinha como católica, depois ex-católica e depois católica inconfessa. Sei que não escrevo como JD, nem que aborde o tema com o seu conhecimento. Mas se quiserem ler o que esta má católica anda escrevendo, está às ordens.

Bjos

abril 04, 2005 12:21 AM  
Anonymous Leticia said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Aguardo a análise dos papáveis! A idéia de termos o primeiro papa negro me agrada, mas eu tenho uma pontinha de desconfiança de que não teremos um líder tão carismático quanto João Paulo II. Discordo em grande parte de seu conservadorismo, lamento o boicote à Teologia da Libertação, mas admiro largamente seu poder de comunicação. Sua figura realmente "encantava" multidões.

abril 04, 2005 9:42 AM  
Blogger Goldmoon said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Apesar de discordar de muitos dos posicionamentos mais radicais do Papa João Paulo II, acho que ele teve seus méritos, especialmente no combate à intolerância religiosa e na busca por justiça social (sem falar no papel fundamental que ele desempenhou no combate ao autoritarismo soviético na Polônia).

abril 04, 2005 10:09 AM  

Postar um comentário

<< Home

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License. Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com