quarta-feira, setembro 27, 2006

Gore Vidal: narrativas do Império



- Eu li o manual de Júlio César na escola e aprendi tudo sobre o poder. Você começa quando o sol nasce e então, com marchas poderosas, supreende o inimigo e mata todo mundo. Depois escreve um livro sobre o que fez.
- Bem, os jornais hoje são o livro que se escreve.

Gore Vidal, “Império”

Há tempos queria a ler as “Narrativas do Império”, série de sete romances em que o escritor americano Gore Vidal conta a história de seu país através de uma família de elite, descendentes bastardos de Aaron Burr – o fascinante vice-presidente dos EUA que segundo seus detratores, queria construir um reino para si mesmo no atual sudoeste daquele país. Ainda não li os três primeiros romances da saga (Burr, Linconl, 1876). Comecei pela parte que mais me interessa: a transformação dos Estados Unidos em uma potência internacional.

O quarto romance, “Império”, abre em 1898 com a vitória dos EUA na guerra hispano-americana. A heroína do livro é Caroline Sanford, que disputa uma herança milionária com seu meio-irmão Blaise. O rapaz se interessa por jornalismo e vai trabalhar para o magnata da imprensa sensacionalista William Randolph Hearst (o inspirador do “Cidadão Kane” de Orson Welles). Por rivalidade com o irmão, Caroline assume o controle de um jornal semi-falido em Washington e aplicando os métodos de Hearst o transforma numa poderosa ferramenta política.

O clima é a exaltação nacionalista pelas primeiras vitórias no exterior, que prosseguem com a eleição de Teddy Roosevelt para a presidência e a construção do Canal do Panamá. O contraponto é representado pelas conversas do Clube de Copas, um grupo de intelectuais que inclui o historiador Henry Adams e o escritor Henry James e que expressam a ética e as preocupações da velha República e ficam céticos com as ambições imperiais dos EUA.

“Hollywood” mostra os mesmos personagens cerca de uma década mais tarde. Os EUA entram na Primeira Guerra Mundial e se estabelecem definitivamente como uma potência mundial. Caroline, próxima ao presidente Wilson, envolve-se nos esforços para tornar a nascente indústria do cinema um instrumento de propaganda dos Aliados e acaba virando investidora (e atriz ocasional) dos estúdios. Ao mesmo tempo, a Revolução Russa desperta o início da histeria anti-comunista nos Estados Unidos, com a filha de Caroline se tornando uma das líderes do movimento e ameaçando o amante da mãe, um cineasta com simpatias esquerdistas: “mas o que [Caroline] sabia dos verdadeiros americanos, a começar por sua filha e seu genro? Haveria muitos outros como eles por lá, com sonhos sinistros de absoluto conformismo com algum ideal primitivo? Realmente, a antiga nação de camponeses encontrara a velha Europa civilizada, e a Europa lhe oferecera guerra, revolução e bolchevismo. Não era de se admirar que os camponeses verdadeiros e em potencial estivessem decepcionados.”
.
Saltei “Washington DC”, que não consegui achar, e pulei para “A Era Dourada”, o melhor de todos, que começa com os esforços do ex-namorado de Caroline, Tim Farrell, para rodar um documentário discutindo se os EUA devem participar da Segunda Guerra Mundial, que se inicia na Europa. Na segunda parte, o jornalista Peter, sobrinho de Caroline, se torna um observador privilegiado e crítico do império mundial construído pelos Estados Unidos e da renovação cultural do país (um dos melhores trechos é a estréia da peça “Um Bonde Chamado Desejo”, de Tennessee Williams), enquanto o clima político se torna cada vez mais tenso pelo McCartismo e pela Guerra Fria.

No fim, o romance dá um salto para o ano 2000, onde Gore Vidal vira personagem de sua própria obra e debate na TV os rumos do século americano com seu “velho amigo” Peter, inquietando-se com o pânico ao terrorismo e refletindo sobre a inevitável decadência dos impérios.

Os livros são excelentes, mas não para todos os gostos. É preciso se interessar bastante por política e conhecer pelo menos um pouco sobre a história dos EUA, para acompanhar as descrições de Vidal das intrigas dos bastidores e das negociações que influenciaram os eventos mais importantes de seu país.

Gore é um aristocrata. Irmão de criação de Jackeline Kennedy, neto do senador Thomas Gore, primo do ex-vice-presidente Al Gore, amigo de Eleanor Roosevelt... Seu círculo de amizades é a nata do Partido Democrata. Contudo, ele se manteve fiel ao credo do avô, um político isolacionaista que se opôs ao projeto expansionista americano. Evidentemente, Gore foi derrotado. Mas se a História é escrita pelos vencedores, coube ao perdedor a glória de ser o cronista crítico e sarcástico da saga de seu país.

4 Comentarios:

Blogger Igor said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

É dessa vez, vc se superou: ao invés de um livro, uma série de vários volumes.

E, o pior, esses eu não tenho como encaixar na conjuntura atual....

É....como costumo dizer: Vida que segue!

Abraço grande

ps: só me sinto melhor por conta das indicações que EU FIZ no almoço!

setembro 28, 2006 2:13 PM  
Blogger Mauricio Santoro said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Pois é, tenho que manter a forma... Espero seu livro do alemão na aula de amanhã, ok?

Abração

setembro 29, 2006 6:01 PM  
Blogger xjd7410@gmail.com said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

oakley sunglasses
oakley sunglasses wholesale
abercrombie & fitch new york
ralph lauren
retro 11
michael kors handbags
kate spade handbags
gucci handbags
basketball shoes
air force 1
oakley sunglasses
polo outlet
ed hardy outlet
true religion outlet
michael kors outlet online
hollister outlet
jordan retro 13
burberry outlet
louis vuitton outlet
kevin durant shoes 7
lebron shoes for kids
adidas uk
coach factory outlet
gucci belts
jordan retro 8
michael kors outlet online
coach factory outlet
supra shoes
lebron 11
true religion outlet
chenyingying2016718

julho 18, 2016 6:22 AM  
Blogger xjd7410@gmail.com said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

ray ban sunglasses
polo outlet
cheap jordan shoes
fitflop sale
coach factory outlet
montblanc pens
lebron shoes for kids
louis vuitton handbags
celine outlet
louis vuitton purses
oakley sunglasses wholesale
longchamp outlet
adidas superstar
jordan retro 11
cheap jordan shoes
louis vuitton bags
retro jordans 13
ray ban sunglasses
tiffany jewelry
instyler max
basketball shoes
louis vuitton outlet
michael kors handbags
toms outlet
jordans for sale
retro 11
louis vuitton purses
toms wedges
louis vuitton outlet
michael kors
chenyingying2016723

julho 22, 2016 10:33 PM  

Postar um comentário

<< Home

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License. Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com