terça-feira, março 08, 2005

Das Bibliotecas

Sentado na biblioteca com o computador. Silencio completo. Cada som que faco com as teclas eh imediatamente absorvido pelas colunas de livros a minha frente. Eh como se o tempo estivesse suspenso, o mundo estivesse pausado. A luz eh fluorescente, branca, morta. Os livros me rodeiam -- milhares deles, milhares de cores, linguas, pensamentos. Um labirinto de ideias.

Penso em como eh dificil construir uma biblioteca. Talvez a biblioteca seja a maior invencao humana. Nao digo a construcao fisica de uma biblioteca; no fundo eh apenas um grande predio, igual a varios outros. O genio da formacao de uma biblioteca estah no seu conteudo. Nao ha nada mais vivo do que uma biblioteca; ao mesmo tempo nao ha nada mais morto.

A biblioteca representa o extremo da condicao humana. Mesmo que escolhessemos passar a vida apenas em uma biblioteca, ainda assim nao seria suficiente. O homem nao pode conter a biblioteca.

Entretanto ela eh tao fragil. O tempo pode ser implacavel, o frio, o calor, as maos, o fogo. A biblioteca nos lembra de que tudo pode ser passageiro, exceto nossas almas.

Borges tinha razao: a biblioteca eh a metafora perfeita do mundo em que vivemos.

2 Comentarios:

Blogger Rapha said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Ainda Borges:

"Um homem propõe-se desenhar o mundo. Ao longo dos anos, vai povoando o espaço com imagens, províncias, reinos, montanhas, baías, barcos, ilhas, peixes, casas, instrumentos, astros, cavalos e pessoas. Pouco antes da sua morte, descobre que este paciente labirinto de linhas traça a imagem do seu próprio rosto."
Jorge Luis Borges

Se bibliotecas são a metáfora perfeita do mundo, podemos assumir que livros são o retrato da alma? Acredito serem expressões de sonhos, devaneios, esperanças, temores e expectativas, buscando alcançar a imortalidade. E, quando reunidos em uma biblioteca, parecem conversar entre si.

Tens razão, meu caro. Nada mais vivo - nem mais morto - que o "silencioso" espaço de uma biblioteca.

Beijos,
Rapha

março 09, 2005 12:40 PM  
Anonymous BiaBerna said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Vou tentar colaborar neste "Das Bibliotecas". Eu me considero "bamba" (esperta!) em decifrar ambiente e grupo e indivíduo, através dos livros observados em prateleiras e em pilhas de escrivaninha. Evidente que aprendi a proceder a interpretações. E claro que além dos livros, uma conversinha amiga para obter trilhas, estradas, caminhos, rotas, rumos, enveredamentos. Agora, uma biblioteca pública sem os frequentadores, significa um nada de nada; aquelas paredonas cheias de unidades de coisas, vistas sem chance de identificar, é zero à esquerda. Agora, no que o indivíduo chegar perto o suficiente para precisar uma leitura, ah! bom, são outros quinhentos! Poderá gerar (na mente) caminhos, rotas, trilhas..., independente de assunto. Fecho com Borges: diga o que leste, dir-te-ei como estás.

março 10, 2005 7:06 PM  

Postar um comentário

<< Home

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License. Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com