terça-feira, novembro 21, 2006

Algo habrán hecho



"Eu pensava que a coisa mais apaixonante do mundo era uma tourada, até que vi dois argentinos discutirem política."

Octavio Paz, poeta mexicano


A TV argentina näo é exatamente a gloria cultural do país, mas aqui e ali se encontram programas muito bons. Na semana passada estreou a segunda temporada de "Algo habrán hecho por la história argentina", apresentado pelo jornalista Mario Pergolini e pelo historiador Felipe Pigna.

A série é uma dramatizaçäo de episódios importantes da história do país. A primeira temporada cobriu a primeira metade do século XIX e esta irá até 1900. Pigna está em primeiro lugar nas listas dos mais vendidos com o terceiro volume de sua série "Los Mitos de la História Argentina", na qual é baseado o programa de TV. Aliás, vale a pena conferir seu site pessoal.

Poderia ser apenas uma espécie de telecurso segundo grau, mas o que torna Algo Habrán Hecho interessante é a narrativa agil e esperta, com senso de humor e questionamentos críticos com relaçäo a alguns dos cänones da história argentina. Pergolini e Pigna visitam os lugares onde ocorreram as grandes batalhas e conspiraçöes, interagem com os personagens e fazem comentários irönicos. Por exemplo, no episódio de segunda foi sobre a Guerra do Paraguai:

"Disseram que Solano López era uma ameaça à segurança regional, que era preciso detë-lo, etc"
"E encontraram armas de destruiçäo em massa?"

O programa é polëmico porque o sucesso de Pigna incomoda boa parte dos historiadores acadëmicos, que o acusam de simplificar a história e transformá-la numa espécie de romance. Às vezes isso ocorre. A visäo das causas da guerra do Paraguai é baseada numa interpretaçäo do país como um exemplo de desenvolvimento que incomodava a Inglaterra, algo que foi comum nos anos 60 e 70 mas foi totalmente descartado pelos estudos contemporäneos.

Ainda assim, o programa é uma excelente ferramenta didática, do tipo que daria um bom debate em sala de aula. Há também um toque de humor no título, que significa literalmente "Eles devem ter feito alguma coisa...", expressäo que era usada para se referir às vítimas da ditadura militar. Näo por acaso, o último livro de Pigna tem uma bela dedicatória que fala daqueles que quiseram mudar o país e sempre foram atirados ao mar, assassinados na calada na noite ou "desaparecidos", desde os tempos da guerra de independëncia.

5 Comentarios:

Blogger Rodrigo Cerqueira said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Fala Maurício,

sigo acompanhando seu diário de bordo em Buenos Aires e alimentando aquela boa inveja de ver o amigo com experiências tão atraentes nessa cidade igualmente atraente.

Não tenho opinião formada sobre a TV argentina e não conheço muito da história dos hermanos, mas o comentário sobre as críticas que o Pigna costuma receber é pertinente. Lembra as críticas que, no Brasil, são feitas a Eduardo Bueno e que eu, há muito tempo, discuto com meu irmão historiador. Por um lado, esse tipo de simplificação e romancização da história tem a função de despertar o leitor não-acadêmico e tornar a história algo palatável e com o sabor que ela deveria ter. Por outro lado, é muito perigosa a anedotização de temas e personagens, que acabam esvaziados de sua verdadeira importância. Além disso, muitas vezes, as explicações acadêmicas não são simples porque a realidade, meu amigo, não é simples. Gosto de pensar que o povo poderia ter um bom entendimento da história do país e sonho com as conseqüências dessa compreensão. Mas é importante atentar para que tipo de compreensão se terá a partir de histórias simplificadas da História.

Grande abraço e boas andanças,

Rodrigo

novembro 23, 2006 5:08 PM  
Blogger Mauricio Santoro said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Salve, dom Rodrigo.

Rapaz, reforço o convite feito em Vila Velha: vocë e sua mulher säo muito bem-vindos por aqui. A vida cultural e acadëmica desta cidade é incrível. O Leo Valente deve vir em janeiro.

O debate sobre o Pigna lembra mesmo muito o que houve com o Bueno e com o Elio Gaspari. Pessoalmente, acho difícil falar para um público amplo sem promover uma certa simplificaçäo, mas os benefícios também säo enormes, em termos de mais pessoas interessadas em história.

Abraços

novembro 23, 2006 6:28 PM  
Anonymous Anônimo said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Oi, etrei por acaso porque minha mãe quer me nadar de Bs As, sou argentina, o volume 3 do livro de Pigna e queria ver se achava os capítulos. Entendo que Pigna seja tido como um divulgador e não seja levado a sério como historiador, mas ele não está tão por fora assim como para não saber que essa história da Inglaterra temer pelo desenvolvimento do Paraguai e ser a instigadora da guerra está totalmente ultrapassada pela investigação histórica. Faz questão de dizer no capítulo dedicado à Guerra do Paraguai que esta se produziu em conseqüência de problemas internos ao Império do Brsil e à República Argentina. Ele conta atee como a inglaterra tentou eviar o conflito. O capítulo chama-se La guerra de la triple infamia. O Brasil e a Argentina fazem um péssimo papel. Dá até vontade de torcer pelo Paraguai no futebol, mas e só começar o jogo que tudo muda. Quem quiser ler sobre história, notícias, ver mapas, ou imagens da África entrem no maior portal sobre África em português, no qual trabalho: www.casadasafricas. Abraço, Daniela Baudouin

janeiro 29, 2007 8:29 PM  
Anonymous Anônimo said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Oi, sou argentina, entrei por acaso porque minha mãe quer me mandar de Bs As o volume 3 do livro de Pigna e queria ver se achava os capítulos. Entendo que Pigna seja tido como um divulgador e não seja levado a sério como historiador, mas ele não está tão por fora assim como para não saber que essa história da Inglaterra temer pelo desenvolvimento do Paraguai e ser a instigadora da guerra está totalmente ultrapassada pela investigação histórica. Faz questão de dizer no capítulo dedicado à Guerra do Paraguai que esta se produziu em conseqüência de problemas internos ao Império do Brsil e à República Argentina. Ele conta até como a inglaterra tentou evitar o conflito. O capítulo chama-se La guerra de la triple infamia. O Brasil e a Argentina fazem um péssimo papel. Dá até vontade de torcer pelo Paraguai no futebol, mas e só começar o jogo que tudo muda. Quem quiser ler sobre história, notícias, ver mapas, ou imagens da África entrem no maior portal sobre África em português, no qual trabalho: www.casadasafricas. Abraço, Daniela Baudouin

janeiro 29, 2007 8:33 PM  
Anonymous Anônimo said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Por favoe, apagar o primeiro estava cheio de erros.

janeiro 29, 2007 8:34 PM  

Postar um comentário

<< Home

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License. Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com