terça-feira, agosto 03, 2004

A temperatura em que a liberdade queima

Domingo à tarde fui ver Fahrenheit 11 de Setembro. Como panfleto anti-Bush, funciona, mas achei o filme bastante inferior aos anteriores de Michael Moore, em especial ao Tiros em Columbine, que tinha linguagem e montagem espertíssimas.

Também não gostei das escolhas políticas do diretor. Será que os republicanos são culpados de tudo de ruim que aconteceu nos EUA após os atentados? Qual o papel dos democratas nessa história? Entendo que Moore queira poupar o partido de Kerry por conta da eleição, mas isso acaba enfraquecendo a argumentação. E o que dizer do modo como se comportou a imprensa, as universidades, as associações da sociedade civil?

O ponto forte do F-11/09 é o retrato dos jovens americanos (negros e pobres, ou quase negros de tão pobres) que fazem as guerras do Império. Não são aristocratas, mercenários ou máquinas de matar. Apenas um bando de rapazes e moças sem perspectivas ou estudo, que precisavam de grana. Parecem um time de futebol de subúrbio e não entendem porque estão no Iraque. Aparentam ser boas pessoas, mas empurradas para gestos de crueldade e desespero pela armadilha em que caíram, pela absoluta falta de compreensão da realidade e das pessoas com que precisam lidar.

Será que era diferente na época de Júlio César, Napoleão e Hitler?

4 Comentarios:

Blogger Síndico said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Maurício,

Realmente ele é abaixo de Tiros em Columbine, assim como bem mais parcial. Mas o que mais me incomodou em toda a mensagem do Moore foi a pergunta: "Como ninguém viu isso?" - Em relação aos negócios e translados da família Bin Laden - ou seria ESCOLTA americana aos Bin Ladens?

agosto 04, 2004 10:13 AM  
Blogger BB said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Mauricio,

Fizeram a mesma pergunta para o Moore: mas e os democratas? Ele tentou se defender dizendo que as cenas iniciais, quando eh preciso que apenas um senador assine a revisao da contagem de votos e ninguem se apresenta, seria uma critica tambem aos democratas. Mas de fundo, realmente, os democratas ficaram de fora.

Outro fato interessante eh que os paises arabes (de acordo com o NYT, entao...) estao revoltados com a maneira como Moore os apresenta no filme. A Arabia Saudita, claro, proibiu o filme. Isso eh que eu chamo tomar pancada por todos os lados...

Abraco.

agosto 04, 2004 11:40 AM  
Blogger Glauco Paiva said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

Véio... Impliquei com a não menção aos democratas, mesmo sem ver o filme. Levanto a placa "Eu já sabia". Fiquei muito decepcionado ao ver o Moore aos beijos abraços com Kerry no lançamento da campanha. Para falar em termos jornalísticos, achei que pegou mal o exagero. Por isso ainda não fui ver o filme. Estou esperando passar a decepção...

agosto 04, 2004 5:49 PM  
Blogger Bruno Lopes said... Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

No livro "Stupid White Men" Michael Morre deixou claro que seu objetivo é tirar George W Bush da Casa Branca, e que faria (quase) qualquer coisa para isso. No mesmo livro também deixou claro que considera Clinto "farinha" do mesmo saco, e duvido que ele considere John Kerry melhor. Mas, voltando ao mesmo ponto, para Moore vale tudo para tirar o emprego de Bush, até mesmo esquecer as barbaridades que John Kerry está prometendo.

setembro 14, 2004 5:26 PM  

Postar um comentário

<< Home

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License. Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com